Novidadesintermodal

A 24ª edição da Intermodal South America, maior feira do segmento de logística, transporte de cargas e comércio exterior da América Latina, foi marcada pela aberturas de novos espaços para discussão e apresentação de novidades voltadas para o uso da tecnologia no setor logístico.

Ao longo dos três dias de evento, ocorreram palestras, lançamentos, inovação e empreendedorismo, contando com a presença de expositores do mundo todo. O evento abriu espaço para empresas de TI – com soluções de tecnologia, softwares e segurança para logística – apresentarem as últimas novidades da indústria aplicadas no dia a dia das empresas.

Nós da Intelipost participamos do evento ao lado de alguns de nossos clientes e parceiros, e neste post compartilharemos o que a gente pôde conferir durante a sua última edição. Veja a seguir, os pontos altos da Intermodal south america 2018:

 

XXI Conferência Nacional de Logística

Uma das grandes novidades da Intermodal 2018 foi a XXI Conferência Nacional de Logística (CNL), que pela primeira vez aconteceu durante a Intermodal, e é organizada pela Associação Brasileira de Logística (ABL). Dentre os assuntos discutidos, foram destaque o  Global Supply Chain, Logística 4.0, Varejo, E-commerces, o conceito de Omnichannel e Omnisolutions. Tudo isso com o intuito de discutir tendências, o futuro no mercado de logística e transporte, focando em exemplos práticos apresentados por especialistas do mercado.

Estratégia Omnichannel

Um dos nossos fundadores, Stefan Rehm, participou da Conferência apresentando o case da Riachuelo, que em 2017 aderiu ao e-commerce e reformulou todo o seu centro de distribuição para implementação de sua estratégia omnichannel. Além disso, Rehm apresentou as modalidades de destaque dessa estratégia, como lojas próprias, lockers e pontos terceiros, e concluiu que mercados maduros têm aderido a esta estratégia, não só pela otimização dos custos, mas também pela missão de tornar a experiência de compra cada vez melhor para o cliente.

Por fim, mostrou uma perspectiva positiva sobre o futuro no mercado e o conceito de Blockchain, uma tecnologia que já está apresentando sinais de disrupção na área de marketing, e que promete revolucionar as relações entre os lojistas, transportadoras e o cliente final, que, dentro desse novo cenário, passa a ser o centro das operações.

 

Evento Intermodal 2018

Os palestrantes Stefan Rehm e Luiz Antônio Rego.

Gestão Omnichannel nos centros de distribuição

Incrementando a discussão sobre omnichannel, Luiz Antônio Rego, diretor da ALCIS apresentou seu ponto de vista sobre o cloud computing e como ele é essencial para a logística 4.0 e a necessidade de uma logística colaborativa para alcançar o sucesso em seu negócio. O ponto incisivo de sua apresentação foi o uso do mobile na centralização das gestões de workforce e workflow e a importância de uma sincronização dos apps de e-commerce com a estratégia omnichannel. Também aproveitou o momento para discutir o uso de módulos RFDI associado a utilização de drones para realizar controle de estoque. No Brasil, já existe tecnologia capaz de realizar a leitura de 600 pallets por hora.

Exemplo prático Omichannel

Lodovico Brioschi, co-fundador da Amaro e Fabien Mendez, CEO da Loggi apresentaram o case da Amaro, que utiliza o conceito de guide shops onde a compra é realizada na loja física, mas o processo de compra é online, e o cliente recebe os produtos em casa.

A dupla também discutiu um pouco sobre o varejo no futuro, e ao que tudo indica, estamos caminhando para um mercado onde as lojas físicas não precisarão mais ter estoque, ou até mesmo caixas, resultando uma experiência de compra interativa para que haja engajamento dos clientes nas lojas. Mais uma vez a importância do mobile foi destacada. Um exemplo é a própria Amaro, que atualmente conta com 60% do seu faturamento proveniente das compras feitas através de celulares e tablets.

Quanto ao que concerne à logística reversa, Fabien afirmou que o Brasil ainda tem muito trabalho a fazer no quesito otimização, principalmente por conta de questões tributárias, que infelizmente atrasam o desenvolvimento desse setor,  não por conta dos valores – as alíquotas não são caras –, mas os processos de cálculos ainda são burocráticos. O CEO da Loggi aproveitou também para comentar as vantagens da democratização das entregas. Realizar entregas de qualidade a um preço justo gera um aumento de 40% na conversão de vendas, em média. No caso da Amaro, o fullfilment é realizado pela própria empresa, e os processos de picking e packing são realizados no tempo de 2 a 5 horas.

Logística Reversa foi assunto importante na Intermodal 2018

Dando sequência ao ciclo de palestras, Samuel Gonsales, especialista em omnichannel e em sistemas de gestão ERP falou bastante sobre a importância da logística reversa no e-commerce, e apresentou alguns dados interessantes sobre o perfil do consumidor brasileiro. Em se tratando de trocas:

  • 23% ocorrem devido ao envio de mercadoria errada;
  • 22% delas referem-se ao envio de produtos diferentes do que apresentado na loja virtual;
  • 20% das trocas são referentes ao recebimento de produtos danificados.

Com esse cenário, como fazer para que a satisfação do cliente final seja mantida, apesar dessas adversidades?

A começar, deve-se ter em mente que estamos numa evolução do modelo de consumo, onde há um estreitamento de relações entre consumidor e fabricante. O omnichannel é o modelo ideal, porém ainda não está consolidado no mercado nacional. Para que ele se consolide, é fundamental que as empresas que ainda não são digitais passem a conversar com esse campo, caso elas queiram prosperar nos seus negócios.

Com uma perspectiva otimista, Samuel afirma que casos especiais de entrega não são simples, porém não são impossíveis. É necessário estar atento às necessidades dos consumidores e ser criativo na hora de apresentar as soluções exigidas. E é importante que essas soluções sejam praticáveis em diferentes canais.  Para ele, adotar uma estratégia de integração logística é a chave do omnichannel.

Conclusões e impressões sobre a Intermodal 2018

Após todos esses insights apresentados pelos profissionais do mercado, fica evidente o poder transformador da tecnologia nas operações logísticas e nas relações das marcas com seus clientes e fornecedores.

O consumidor de hoje está mais consciente, e por isso, quer ter maior controle e poder de decisão no momento da compra. Para que isso aconteça, uma integração com as tecnologias, como web bots, facebook, skype, e outras novidades como o WhatsApp bussiness podem auxiliar nas relações com o cliente.

A integração de tecnologias aliada à logística, tem o intuito não só de melhorar o desempenho do seu negócio, mas também a responsabilidade de efetuar um serviço que ofereça máxima conveniência ao consumidor final, mas para isso, ainda é necessário contar com parceiros de confiança que possam oferecer opções inteligentes para a sua operação.

 

E você, o que acha do uso da tecnologia na logística? Deixe sua opinião nos comentários, e caso queira receber mais conteúdos como este, assine a nossa newsletter.