Novidadesesg na logística
A adoção de políticas e indicadores Ambientais, Sociais e de Governança (em inglês, ESG) está se consolidando entre as empresas dos mais diversos portes, se tornando um padrão mundial em vários segmentos. Ao adotarem estas diretrizes, as companhias buscam ter uma melhor resposta frente às crescentes demandas da sociedade em relação ao papel das empresas, incluindo questões como o bem-estar de seus funcionários e maior diversidade no ambiente corporativo. Além disso, sua implementação gera maior transparência aos investidores, com a crescente constatação de que empresas aderentes a boas práticas ESG superam seus pares em retorno do capital investido e conseguem gerenciar mais adequadamente seus riscos.

No setor de logística do e-commerce no Brasil, também é necessário olhar para o tema com um olhar crítico. A logística ganhou muita importância durante a pandemia, e, consequentemente, mais atenção de todos os lados.  A barra para as empresas do setor subiu e o mercado está, cada vez mais, exigindo que os líderes adotem políticas de ESG, já que existe um grande potencial para a logística ser melhorada.

Atualmente, no Brasil, grande parte da emissão de gases é feita por veículos e caminhões antigos, com baixa eficiência energética e altos níveis de poluição atmosférica. No campo social, muitas empresas de logística precisam trabalhar na inclusão social, pois atualmente não tomam ações concretas para alterar este quadro. E, por fim, a governança é provavelmente um dos maiores desafios para um setor que teve muita atividade informal ao longo das últimas décadas. É preciso reverter este panorama para transformarmos o nosso ecossistema em um ambiente mais sustentável e receptivo para a sociedade.

Como aplicar ESG na logística omnichannel?

Mas como implementar políticas e acompanhar resultados nos temas ESG? As empresas que atuam entre a logística e
o varejo omnichannel podem adotar desde pequenas mudanças no comportamento diário até grandes alterações no modelo de negócios.

Quanto às questões ambientais, a principal pauta é a otimização da cadeia logística, que ajuda a reduzir a emissão de gases poluentes liberados na atmosfera por meio do uso eficiente da frota. A simplificação da logística passa, por exemplo, pelo uso de soluções de roteirização que diminuem o tempo do caminhão na rua. Além disso, a frota requer maior atenção, observando a idade, manutenção e eficiência energética dos caminhões. Por último, a nova tendência de Pick-up and Drop-off Points (também chamados de PUDOs ou pontos de retirada e coleta) gera menor necessidade de locomoção de veículos, já que os vendedores consolidam suas mercadorias em um lugar, otimizando a logística da primeira e última milha.

 Em relação ao aspecto social, as companhias atualmente buscam ampliar a diversidade nas empresas, não apenas em cargos operacionais, mas também na liderança, dando mais oportunidades de promoção a talentos de todas as origens e perfis. É igualmente importante direcionar as atenções para o bem-estar dos funcionários, o que inclui temas como conforto e segurança do ambiente de trabalho (seja no escritório, na operação ou em casa), benefícios, e mecanismos adequados de comunicação com a liderança da empresa. Temas como nível de satisfação dos funcionários (via levantamento de NPS) e acompanhamento de indicadores de turnover e absenteísmo devem fazer parte da rotina das lideranças de RH.

Além das preocupações habituais, a pandemia do COVID-19 trouxe às empresas novos desafios e, em especial, mais atenção com a segurança da operação e com o bem-estar dos funcionários. As empresas devem se solidarizar com os mais afetados pela crise, garantir o emprego de seus funcionários dentro das condições econômicas da companhia e formalizar direitos, dando sua contribuição ao enfrentamento desta situação que pode durar mais algum tempo. Algumas empresas inclusive adotaram modelos de negócio inovadores para criar novos tipos de empregos, como a implementação dos PUDOs em estabelecimentos comerciais, apoiando estes negócios a atraírem novos consumidores e manterem a economia girando. 

É muito importante ainda criar mecanismos e direcionar a cultura para práticas ESG. Por isso, as métricas de governança são tão essenciais. As companhias devem se preocupar em combater a corrupção e priorizar a ética no desenvolvimento das atividades. É absolutamente necessário operar formalmente com aderência a todas as exigências governamentais e fiscais. 

Tais pontos devem ser incentivados por todos os colaboradores, principalmente pela alta direção das empresas, devendo ser a base da cultura organizacional. Algumas ações que podem ser elaboradas neste sentido são, por exemplo, a criação de código de conduta e políticas anticorrupção, para orientar as atitudes dos stakeholders, com a implementação de canais de denúncia e comitê de ética para apurar eventuais ações repudiadas pelos valores da companhia, e o zelo pela integridade e exatidão dos registros contábeis e financeiros. Em paralelo, deve-se priorizar a segurança das informações pessoais dos colaboradores e clientes para evitar vazamento de dados, criando assim um ambiente seguro e transparente, de acordo com as leis aplicáveis e regras previstas no código de conduta. Tudo isso vai na direção de uma gestão cada vez mais profissional, com apoio de regras e definições claras, além de um conselho administrativo. 

Apesar de ser um caminho longo e as mudanças serem impactantes para a cultura, é necessário nos adequarmos aos padrões exigidos pela sociedade, gerando mais transparência, accountability e responsabilidade frente ao meio ambiente, funcionários, investidores e comunidade. Temos o dever de nos enquadrarmos nos padrões e métricas sustentáveis estabelecidos na
Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da ONU. Nós, da Intelipost, estamos realizando mudanças internas para contribuirmos principalmente no atingimento dos seguintes Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODS): Igualdade
de Gênero, Trabalho Decente e Crescimento Econômico, Indústria, Inovação e Infraestrutura e Ação Contra a Mudança Global do Clima.

Aqui na Intelipost, a pauta ESG vai ser um dos nossos focos para 2021. Adotaremos uma política de ESG, nomearemos um responsável pelo tema na nossa diretoria e reportaremos indicadores selecionados ao conselho de administração. Queremos também iniciar um diálogo com outros participantes da cadeia de logística para começarmos a endereçar temas como emissão de poluentes e bem-estar dos motoristas. Cabe a todos nós contribuir com o tema e a Intelipost fará a sua parte para termos um mundo melhor no futuro.

Stefan Rehm
CEO & co-fundador